Skip to main content

Passei a semana da Páscoa com a minha família, lá no interior do Rio Grande do Sul, na Serra Gaúcha. E alguns desses dias passei no sítio da nossa família. Registrei um dia típico de lá, quando toda a família está reunida, avó, tios e primos. Colhendo kiwis, tomatinhos, vagens, abóboras, alface, rúcula, pimentas e alecrim. E no final do dia a família inteira se reuniu para dar uma geral na horta do meu tio. A recompensa foi uma fornada de pão no forno a lenha que ele faz tão bem. Nada mais gratificante.

Sempre tive o privilégio de viver uma vida meio urbana meio rural quando morava no sul, com um contato muito próximo com a terra. Depois de mudar para São Paulo, cada vez que vou pra lá, passar um tempo no sítio é quase necessário.

Recentemente li um livro do jornalista Michael Pollan chamado Em Defesa da Comida, onde ele faz um manifesto em defesa da comida de verdade. Com dicas muito claras como “Não coma nada que sua avó não reconheceria como comida” ou “Evite comidas contendo ingredientes cujo nome você não possa pronunciar”  e ainda “Não coma nada que não possa um dia apodrecer”. Indico esse livro pra todo mundo!

Nesse último ano, desde que comecei o blog, isso tudo faz cada vez mais sentido pra mim. A diferença da relação que você passa a ter com a comida e com o ato de preparar seu próprio alimento é incrível e sempre gratificante. Se você não tem o privilégio de poder viver a vida do campo de vez em quando, pelo menos tente se relacionar mais de perto com os ingredientes e com a comida que você consome. Vale a pena 🙂

Dia de Sítio

Dia de Sítio  Dia de Sítio

Dia de Sítio

Dia de Sítio  Dia de Sítio

Dia de Sítio

Dia de Sítio  Dia de Sítio

Dia de Sítio

Dia de Sítio  Dia de Sítio

Dia de Sítio

Dia de Sítio  Dia de Sítio

Dia de Sítio

Dia de Sítio

Dia de Sítio

Dia de Sítio  Dia de Sítio

Dia de Sítio

Dia de Sítio  Dia de Sítio

Dia de Sítio  Dia de Sítio

Dia de Sítio

Dia de Sítio

13 Comentários

  • Guilherme Hebacci disse:

    Fotos incríveis!

  • Laura Dal Bó disse:

    Lindas as fotos ! ❤️

  • Sofia disse:

    Nossa senhora, que fotos maravilhosas. Que vontade de ser da sua família! Tive um interesse especial sobre o livro que você comentou, já estou pesquisando sobre ele! 😉 Minha família também tem um sítio e tem a mesma vibe. É maravilhoso pra desligar e entrar mais em contato com a natureza. Pão caseiro também fez parte da minha infância e minha boca encheu de água só de ver a foto. A minha preferida foi a das abóboras vistas de cima! Consegui alguns vasinhos com a minha mãe há uns dias e esse post foi a inspiração que faltava pra comprar minhas mudinhas de temperos pra começar minha hortinha! 😉

    • dalbo disse:

      Que legal Sofia! Adorei seu comentário. Muito obrigado mesmo. Não tem preço esse tipo de experiência e vivência. Sorte a sua também. Beijos, Angelo 🙂

  • Leti disse:

    Incriveis!!!

  • Néi disse:

    Ângelo , meu pitchinim !
    Estou muito orgulhosa deste teu trabalho , fotos maravilhosas , meus netos são incríveis !!!!
    Beijos.

  • Rosangela disse:

    Amei as fotos !!!! Que delícia de momento !!!!

  • Manuel disse:

    Muito bacana!!

  • Luciana David disse:

    Olá Ângelo!
    Adoro seu blog, suas postagens são fantásticas. Compartilho com o seu gosto pela cozinha e sou extremamente a favor da comida de verdade. Meus parabéns!

  • Ainda ontem estava sentada na cozinha lembrando dos sítios das minhas tias avós, praticamente auto-sustentáveis.
    Quando foi que pensamos que isso era ruim?

    Lindas fotos, Angelo 🙂

Deixe um comentário